No mundo tecnológico em que vivemos, exprimir nossas ideias e conceitos sobre fatos e acontecimentos, assim como nossas opiniões sobre tudo que nos cerca, está cada vez mais fácil.  Entretanto, quando pessoas comuns - que andam pelas ruas, que se encontram nos bares para juntos debaterem sobre as formas como se apresentam as notícias na mídia, jornais, revistas e televisão; sobre como os nossos dirigentes se comportam em relação às nossas necessidades, sobre como executam suas vontades e suas pretensões, não há como divulgá-las. Surgem de todas as formas, nesses momentos, opiniões de operários, professores, artistas, intelectuais que se destacariam em qualquer reunião de cúpula de partidos, onde se tomam decisões sobre as necessidades do País e do Povo Brasileiro.  No Rio de Janeiro, fala-se muito da CIDADE DA MÚSICA e das PROMESSAS que fizeram governo do estado e prefeitura com a realização do PAN. O carioca ouviu e concordou com tudo que as autoridades disseram sobre como o transporte, a saúde e a educação lucrariam com tal evento, contudo, nada se concretizou e obras com valores superfaturados e cifras monumentais estão jogadas as traças, abandonadas se transformando em ruínas e é pouca a importância que a mídia OFICIAL dá a tais fatos.

    Por todo o país há sinais de descasos. Nos Hospitais que falta de algodão à médicos nos plantões diuturno. Instalações que mais parecem pocilgas humanas, doentes que morrem em macas, em corredores úmidos e superlotados. No ensino que deveria ter atenção especial dos governos, as redes municipais e estaduais duncionam em regime de doações em vários setores. Professores com seus míseros salários lecionam em condições extremamente precárias obedecendo, em muitos casos, o amor pela profissão e seus ideais de vida.

    Nossa proposta é fazer essas vozes chegarem onde possam ter a importância devida para tentar mudar e fazer com que as autoridades saibam o que o Povo Brasileiro pensa sobre suas decisões. Portanto, estamos acionando a mais poderosa tecnologia de mídia (internet), para que essas vozes saiam dos ambientes fechados, atinjam e sejam vistas em todas as esferas de nossa sociedade.


  Violência
   
  A corrupção e a falta de punição para políticos e empresários que lesam constantemente os cofres públicos do País contribuem para a indignação e revolta do cidadão, exteriorizando os instintos mais violentos dos menos favorecidos e desprovidos do autocontrole que só uma boa educação provida de suas necessidades básicas pode lhes proporcionar.
   
  Naturalmente, outros fatores preponderantes contribuem para a violência, especialmente as psicopatologias que acompanham o ser humano exigindo tratamento adequado, mas com certeza são em numero menor do que aqueles que resultam da indiferença humana em relação aos menos favorecidos.

   Bilhões dos cofres públicos são canalizados para os bolsos de políticos e empresários corruptos nos projetos como o PAN, CIDADE DA MÚSICA, sem punições e principalmente sem que essas somas retornem e sejam aplicadas em saúde e educação.  E vem aí! Mais um capítulo dos políticos ensandecidos com OLIMPÍADAS e COPA DO MUNDO, as somas para esses eventos são exorbitantes, para alegria dos que esperam engordar suas contas no exterior.  

   Herdeiro do primitivismo antropológico, do qual ainda não se libertou e predomina em sua natureza, o cidadão acuado reage, passa a agredir os mais favorecidos, porque se sente agredido, desde que dilapidado nos seus direitos humanos mínimos, que não foram concedidos.

    Noutro aspecto, a violência encontra-se embutida nos instintos básicos do ser, ainda não superados, e além das suas manifestações patológicas, a falta de educação, ou o exemplo dos vícios com os quais convive, com a ausência do sentido ético e a dignidade moral dos governos, ficam insculpidas nos seus tecidos emocionais as condutas agressivas e violentas de que se nutrem.

    Quando se sente lesado nos seus princípios básicos e, sem educação, se age por instinto, por automatismo psicológico de autodefesa, em processo inconsciente de agressão, precatando-se para não ser agredido. Essa violência, que estruge no âmago do ser e o leva a agredir aquele que lhe parece mais atendido, os mais privilegiados, o conduz à criminalidade, tão logo lhe surja oportunidade, deixando-o mais devorar-se pelo sentimento de ódio que o domina, ou da indiferença ante o que pratica, por acreditar que está agindo conforme vem sendo tratado pela sociedade.

Atenciosamente,

www.absurdo-brasil.com

Fernando Maurício de L. Silva


 

Sobre nós.

Nessa nave chamada Terra, o povo não se conforma mais em ser conduzido, ser meros passageiros. Todos, usando a tecnologia cada vez mais fácil e próxima, temos consciência de que podemos, de alguma forma fazer parte da tripulação. leia mais...